Ir para o conteúdo

terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Notícias

Uso de celular por crianças atrapalha no desenvolvimento psíquico, emocional e cognitivo, diz psicóloga infantil

A psicóloga infantil dra. Nayara Rocha Rissão (CFP 06/173126), em entrevista ao JBR, afirmou que o uso de aparelho celular por crianças ainda de colo tem efeitos negativos no desenvolvimento delas, prejudicando as habilidades motoras, sociais, da fala e promovendo distúrbios do sono, como a insônia, além de prejuízos significativos ao longo da vida.

Ela afirma que a idade ideal para as crianças começarem a ter acesso a esse tipo de aparelho eletrônico seria a partir dos 12 anos, “considerando que tenha supervisão para o uso adequado da ferramenta”, complementou.

A interação com smartphones e tablets pode causar dependência e distrair as crianças de outras atividades saudáveis. “Por se tratar de algo que emite diversos estímulos visuais e auditivos, o mau uso toma toda atenção e interesse da criança, causando dependência e assim, prejudicando o desenvolvimento em diversos aspectos, como a interação social; o tempo passa a ser reduzido para as atividades em ar livre”, esclareceu.

De acordo com a psicóloga, o tempo máximo que a criança deve utilizar o celular, no dia a dia, são de uma hora por dia entre crianças de 2 e 5 anos, de uma a duas horas entre 6 e 10 anos, e limitar o tempo de telas, incluindo videogames, para crianças entre 11 e 18 anos, “nunca deixar virar a noite”, enfatizou.

“Pais e cuidadores de crianças podem optar por práticas de atividades ao ar livre para a diminuição do vício no uso das tecnologias digitais. Sempre observar o que a criança tem acesso, estabelecer limites. Além do mais, os pais devem reduzir o excesso do uso também como forma de exemplo, pois as atitudes devem ser coerentes com os valores aplicados pelo seu responsável”, concluiu.

Compartilhe: