Ir para o conteúdo

segunda-feira, 22 de julho de 2024

Notícias

Roberto Arutim fala de sua atuação e das perspectivas para o comércio local

Em uma entrevista ao no programa “Café com Prosa” da Rádio Jornal 88.7 FM, Roberto Arutim, diretor da Acib e presidente do Sincomercio), compartilhou suas experiências de vida, carreira e visões sobre o comércio local.

Arutim também compartilhou suas experiências como juiz classista durante nove anos, representando empregadores, o que lhe deu um grande impulso profissional. “Eu fui juiz durante 9 anos, os últimos do moicano, de juiz classista representando o empregador”, disse ele.

Quando questionado sobre o que mais marcou sua trajetória, Arutim enfatizou a importância da família. Casado há 45 anos e com uma filha e dois netos, ele atribui seu sucesso e equilíbrio à forte base familiar. “Primeiramente a família, eu casei com uma moça maravilhosa, já estamos 47 anos juntos, 2 de namoro e 45 de casamento. Tenho uma filha maravilhosa que me deu 2 netos, uma menina de 15 anos e um neto de 13 anos”, contou.

Ele falou com orgulho sobre suas realizações, incluindo seu papel como um dos principais juízes do Estado de São Paulo. “Eu fui indicado para ser desembargador, isso foi em 2010. Disputei 25 eleições, a única que eu perdi foi essa”, relembrou, mencionando a competição política intensa que enfrentou.

Também falou sobre a “Loja do Futuro”, uma iniciativa da Acib que tem sido apresentada em todo o Estado de São Paulo. Arutim acredita que, apesar dos desafios impostos pela era digital, o comércio físico tem seu valor. “O que é mais gostoso do comércio é pegar na mercadoria, experimentar o sapato. Então esse comércio nunca vai morrer”, disse ele.

Arutim alertou sobre os desafios enfrentados pelos novos empresários, destacando a importância de buscar assessoria adequada, como a do Sebrae e Senac. “Hoje, só de impostos é uma coisa assim, que você não tem como sobreviver. Resumindo, o comércio é uma das coisas mais lindas que eu tenho no meu sangue, o comércio sempre vai sobreviver, mas a pessoa tem que estar atreladas a essas entidades”, explicou.

Compartilhe: