Ir para o conteúdo

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

Notícias

Polícia Civil vai investigar possível caso de estupro tendo como vítima uma mulher de 25 anos

A Polícia Civil de Barretos vai investigar um possível caso de estupro, tendo como vítima uma mulher de 25 anos que, em companhia de sua mãe, foi até a delegacia e relatou que um homem, devidamente identificado, se apresentou a ela como advogado e disse que iria conseguir obter a aposentadoria do filho dela, que é uma criança autista.

De acordo com a vítima, durante um certo período o homem se mostrou profissional, mas com o tempo ele começou a controlar sua rotina para que ela não ficasse no aplicativo WhatsApp até de madrugada, para ela não arrumar namorado, para ela não sair de casa, e outras coisas mais.

Em certa data ele a levou até o CRAS para “resolver” coisas sobre a aposentadoria da criança, porém a vítima foi informada que ele não é advogado e que estaria mentindo para ela, então, diante disso, ela disse a ele que não queria mais sua ajuda, contudo, o homem a convenceu de que ele a levaria em um local para conversarem.

Então, fazendo uso de uma motocicleta de cor preta, o homem a levou para o “meio do mato”, onde, ainda segundo a vítima, ele passou a mão em suas partes intimas, pernas e seios, tentando ainda abaixar as calças dela, tendo, de forma lasciva, a beijado e desferido um soco em sua cabeça, sendo todos os atos contra a vontade da mulher, que relatou ainda que no momento dos fatos havia um traficante na região e ele disse para a vítima subir em sua moto, o que ela fez, e ele a deixou em um bar perto de sua residência.

Depois disso o autor foi por diversas vezes na residência da vítima para intimidá-la, sendo a mais recente no dia anterior ao registro da ocorrência, tendo ela relatado que ele demonstra muita agressividade, desferindo socos e chutes no portão de sua casa, tendo ela o interesse em representar contra ele.

Em seu relato a mãe da vítima, uma mulher de 43 anos, informou que as câmeras de segurança das imediações capturaram as imagens do agressor em frente à residência da vítima, e relatou ainda que sua filha tem problemas de raciocínio (laudado, segundo a mãe da vítima) e que isso
está piorando a condição dela.

Ao final a mãe da vítima informou ainda que elas já chamaram a Polícia Militar até o local por duas vezes e que a vítima foi, por diversas vezes, ameaçada de lesão corporal e sequestro, por parte do autor.

Compartilhe: