terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Notícias

Polícia Ambiental localiza aves em maus tratos e aplica multa de 67 mil em Colômbia

Os Policiais Militares Ambientais, tenente Eufrásio, tenente Leme, sargento Casagrande e cabo Jardini, durante Operação Piracema/Fiscalização de Fontes de Consumo de Pesca, compareceram até a cidade de Colômbia, a fim de fiscalizar se o pescador profissional C.A.G.S. possuía pescado em estoque sem declaração, haja vista que o mesmo não protocolou nenhum documento junto ao órgão ambiental.
Ao chegarem ao local, o filho do pescador percebeu a presença dos policiais e então empreendeu fuga, pulando o muro dos fundos, não tendo a equipe conseguido detê-lo.
Verificando o quintal da residência, os policiais perceberam que haviam diversas gaiolas com aves silvestres nativas sem anilhas, e instantes depois chegou ao local o tio do rapaz, que ligou para a mãe dele, que imediatamente chegou ao local.
Os policiais a informaram sobre os fatos e então a mulher autorizou a entrada no imóvel, onde foi constatada a existência de 19 aves silvestres sem anilhas, sendo 11 Canários-da-terra, quatro coleirinhas-Papa-capim, dois Pássaros-pretos, um Sabiá e um Tico-tico.
Dentro de instantes compareceu no imóvel o A. N. R., que havia fugido, assumindo a propriedade das aves, confessando que não tinha nenhuma autorização.
O Pescador profissional não estava na residência, sendo informado pela esposa que este estava trabalhando como pedreiro, porém, ela autorizou a verificar o interior do freezer, onde não havia nenhum pescado, estando, desta forma sem irregularidades.
Quanto às aves, foi elaborada multa no valor de R$ 57.000,00, com base no art. 29 da Res. SMA 48/14, haja vista que todas as aves estavam em situação de maus-tratos (gaiolas sujas, aves sem água e comida suficiente).
Também houve uma autuação no valor de R$ 9.500,00, com base no fato de os animais estarem em cativeiro, e uma terceira autuação no valor de R$500,00 tendo em vista que o autuado obstou a fiscalização desta equipe por ter se evadido da fiscalização.
Já na esfera penal a ocorrência será encaminhada via Ofício, sendo informado ainda que após os laudos as aves foram soltas em uma mata da região e as gaiolas foram destruídas.
Ressalta-se que as aves são produto de captura ilegal junto à natureza.

Compartilhe: