Ir para o conteúdo

sexta-feira, 12 de julho de 2024

Notícias

Pesquisa aponta estabilidade no endividamento das famílias brasileiras em junho de 2024

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) nesta quinta-feira (4), revelou que o percentual de brasileiros endividados manteve-se estável em 78,8% em junho de 2024, o mesmo registrado no mês anterior. Esse dado reflete uma cautela das famílias em não assumir novos compromissos financeiros, priorizando a quitação de dívidas existentes.

Segundo José Roberto Tadros, presidente do Sistema CNC-Sesc-Senac, a estabilidade do índice de endividamento reflete a preocupação das famílias com a inadimplência. Elas têm optado por reduzir seus débitos em vez de contrair novas dívidas, aproveitando o momento para equilibrar suas finanças.

A pesquisa destacou também os impactos da crise climática no Rio Grande do Sul, que influenciaram os dados nacionais. Sem a inclusão deste estado, o percentual de endividamento teria recuado para 78,4%, evidenciando que metade do aumento na inadimplência nacional foi atribuído à alta demanda por crédito das famílias gaúchas afetadas pela tragédia.

Felipe Tavares, economista-chefe da CNC, observou que, apesar do aumento no endividamento no Rio Grande do Sul, houve uma diminuição na inadimplência, o que indica que as medidas de apoio ao estado têm surtido efeito prático, aliviando o orçamento das famílias locais.

Em relação ao perfil do crédito, a pesquisa mostrou uma melhora significativa. Houve redução no número de famílias que se consideram “muito endividadas”, passando para 17,2%, e aumento daquelas que se consideram “pouco endividadas”, alcançando 33,7%. O percentual de famílias que não terão condições de pagar suas dívidas permaneceu estável em 12%.

Compartilhe: