quarta-feira, 08 de julho de 2020

Notícias

Notas Gerais

A deflação (queda de preços)…
de 0,38% em maio deste ano foi puxada principalmente pelo comportamento da gasolina, cujos preços recuaram 4,35%. Os combustíveis, de uma forma geral, apresentaram deflação de 4,56%, com quedas também no etanol (-5,96%) e no óleo diesel (-6,44%). Os dados foram divulgados hoje (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Os transportes, como um todo, tiveram deflação de 1,90% em maio. Além dos combustíveis, houve influência das passagens aéreas (-27,14%). Outros grupos de despesas com queda de preços foram habitação (-0,25%), vestuário (-0,58%), saúde e cuidados pessoais (-0,10%) e despesas pessoais (-0,04%).

As taxas de juros das…
operações de crédito caíram pelo segundo mês consecutivo em maio de 2020, de acordo com pesquisa da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). As linhas de crédito pesquisadas tiveram as taxas de juros reduzidas no mês de maio. Para pessoa física, a taxa de juros média geral apresentou uma redução de 0,04 ponto percentual no mês, ao passar de 5,73% ao mês em abril para 5,69% em maio. A queda corresponde a 0,70% no mês.
No caso de pessoa jurídica, a taxa de juros média teve queda de 0,04 ponto percentual no mês (0,67 ponto percentual no ano) correspondente a uma redução de 1,29% no mês, ao passar 3,10% ao mês em abril para 3,06% ao mês em maio.

Em mais uma ação…
para investigar supostas irregularidades na aquisição de insumos e produtos hospitalares para o enfrentamento da pandemia da covid-19, a Polícia Federal (PF), com apoio da Controladoria-Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF), deflagrou ontem (10) a Operação Dúctil. Desta vez o alvo é o governo do estado de Rondônia. As suspeitas são de eventuais fraudes em dispensas de licitação, tais como apresentação de atestado de capacidade técnica falso por empresas e a possível atuação em conluio entre empresas e agentes públicos.

O abate de frangos…
no país atingiu um volume de 1,51 bilhão de animais no primeiro trimestre deste ano. O volume, que é recorde, representou aumentos de 5% em relação ao primeiro trimestre de 2019 e de 2,8% em relação ao último trimestre daquele ano. Os dados foram divulgados ontem (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O abate de suínos, que chegou a 11,88 milhões de animais no primeiro trimestre deste ano, teve aumento de 5,2% em relação ao primeiro trimestre de 2019, mas recuou 0,2% na comparação do último trimestre daquele ano. Já o abate de bovinos, que atingiu 7,25 milhões de animais, teve quedas de 8,5% em relação ao primeiro trimestre de 2019 e de 10,2% na comparação com o último trimestre do ano passado.

A economia brasileira…
deve apresentar queda de 7,4% neste ano, segundo previsão da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Essa retração pode ser ainda maior, se houver uma segunda onda de contaminação pelo novo coronavírus (covid-19), chegando a 9,1% de queda do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país).
Segundo relatório publicado ontem (10) pela OCDE, a economia brasileira estava finalmente se recuperando de uma longa recessão quando veio o surto da covid-19. E agora, há previsão é que a economia sofra uma recessão ainda mais profunda, diz a organização.
Para a OCDE, a recuperação da economia será lenta e parcial, e alguns empregos e empresas serão perdidos. “O desemprego vai bater recorde histórico antes de recuar gradualmente”, avalia.

O Índice de Confiança do…
Empresário Industrial (ICEI) passou de 34,7 pontos, em maio, para 41,2 pontos, em junho, em uma escala de 0 a 100. Nessa metodologia, os 50 pontos marcam uma linha divisória entre confiança e falta de confiança. Quanto mais abaixo de 50 pontos, maior e mais disseminada é a falta de confiança. O levantamento foi divulgado ontem (10) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).
Segundo a CNI, o aumento do índice pode ser explicada pela melhora nas expectativas do empresário para os próximos seis meses, que registrou alta de 8,4 pontos e subiu para 47,8 pontos. A avaliação em relação ao momento atual ainda é muito ruim. O Índice de Condições Atuais cresceu 2,7 pontos e alcançou 27,7 pontos entre maio e junho deste ano.

Compartilhe: