Ir para o conteúdo

sexta-feira, 12 de julho de 2024

Notícias

Ministério da Saúde aumenta auxílio para reinserção social de pacientes de longa permanência em hospitais psiquiátricos

O Ministério da Saúde anunciou um significativo aumento no valor do auxílio destinado a pessoas com transtorno mental que passaram longos períodos internadas em hospitais psiquiátricos e de custódia. O benefício, que antes era de R$ 500, foi ajustado para R$ 755, um incremento de 51%, com o objetivo de promover a reintegração social e o bem-estar desses indivíduos.

Segundo comunicado oficial do ministério, a iniciativa visa favorecer a ampliação da rede de relações sociais dessas pessoas, além de estimular o exercício pleno de seus direitos civis, políticos e de cidadania fora do ambiente hospitalar. O programa, denominado “De Volta para Casa”, tem como foco principal oferecer suporte financeiro para aqueles que permaneceram internados por dois anos ou mais de forma contínua.

Desde sua implementação há 20 anos, o programa já beneficiou aproximadamente 8 mil pessoas até agosto de 2023, de acordo com dados do Ministério da Saúde. A medida é parte de um esforço contínuo para fortalecer as políticas de saúde mental no país, incluindo a reativação de serviços como os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e os Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT).

No ano passado, o ministério estabeleceu um departamento dedicado à saúde mental, com o objetivo de expandir a capacidade de atendimento e restaurar a funcionalidade dos CAPS e SRT. Além disso, como parte do novo Programa de Aceleração do Crescimento (Novo PAC), está prevista a construção de 150 novos Centros de Atenção Psicossocial em todas as regiões do Brasil. Esta iniciativa tem o potencial de beneficiar 13,4 milhões de pessoas, ampliando significativamente o acesso aos serviços de saúde mental em todo o território nacional.

O aumento do auxílio para reinserção social é um passo importante para garantir uma transição mais suave e digna dos pacientes que estão saindo de internações prolongadas. Além de promover o bem-estar individual, a medida também contribui para a redução do estigma em relação às doenças mentais e fortalece a inclusão social.

Compartilhe: