Ir para o conteúdo

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

Notícias

Meninos de até 14 anos são os que menos se vacinam contra o HPV

Há 10 anos, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece para crianças e adolescentes o imunizante contra o HPV (sigla em inglês para Papilomavírus Humano), a principal forma de prevenir contra a Infecção Sexualmente Transmissível (IST) mais comum no mundo, associada ao desenvolvimento da maioria dos cânceres de colo de útero, entre outros tumores. Apesar da importância da vacinação para o combate à doença, dados no Ministério da Saúde mostram uma diminuição na cobertura vacinal em geral, especialmente entre os meninos.

Entre 2014 e 2023, 70,9% das meninas brasileiras receberam a primeira dose, enquanto apenas 54,3% delas foram imunizadas com a segunda dose. No caso dos meninos, o índice é ainda pior: 45,3% receberam a primeira dose, e apenas 27,7% a segunda. É importante ressaltar que a cobertura vacinal contra HPV não é calculada anualmente, como acontece com os demais imunizantes, pois a vacinação é feita em duas doses, sendo que a segunda pode ser aplicada no ano seguinte ou em outro momento. Por isso, os números do Ministério da Saúde são calculados pela soma das doses aplicadas desde a introdução da vacina até o ano vigente.

A vacina disponível no SUS previne contra os tipos 6, 11, 16 e 18 do vírus, os mais frequentes na população entre os mais de 200 tipos capazes de infectar a mucosa oral, genital e anal de homens e mulheres.

A vacina quadrivalente está disponível gratuitamente nos mais de 38 mil postos de vacinação para meninas e meninos de 9 a 14 anos, pessoas com imunossupressão, o que inclui as que estão vivendo com AIDS, transplantadas e pacientes oncológicos de 9 a 45 anos também podem ser imunizados.

Compartilhe: