Ir para o conteúdo

segunda-feira, 17 de junho de 2024

Notícias

Meios de pagamentos deixam carteira e migram para celular

“Os canais digitais são responsáveis por 70% das operações bancárias no país”, disse em nota, Walter Faria, diretor-adjunto de serviços da Febraban (Federação Brasileira de Bancos)
Com o avanço dos formatos de pagamento digitais, o uso de cheques tem sido cada vez menor, no ano passado foram compensados 202,8 milhões de documentos, uma queda de 7,3% em relação ao ano anterior; em 1995 eram 3,3 bilhões, de acordo com a entidade.
“Não aceitamos cheques por falta de garantia do recebimento. Embora tenha como receber judicialmente, o risco de uma possível dor de cabeça é muito grande. Com dinheiro, pix, e cartão as chances de fraude é bem menor. Cheque e “notinhas” já são mais complicados”, comentou o sócio proprietário de uma rede de cosméticos de Barretos, Carlos Silva Neto.
Ele também conta que já levou golpes com cheques. “No início [da abertura do negócio]. Uma foi o cheque direto mesmo do cliente e outro ele repassou o cheque de terceiros… Clientes diferentes, mas os dois foram calote”, falou.
Apesar de mais raros, os talões de cheque continuam existindo. Segundo o Banco Central, em 2019, cerca de 550 milhões de transações bancárias envolvendo cheques foram realizadas no Brasil. Ainda de acordo com o estudo, foram movimentados R$ 1,52 bilhão em cheques em 2019, contra R$ 1,67 bilhão no ano anterior.
Marina Caetano, atendente/caixa de loja uma loja de construção disse à redação que a empresa recebe o cheque como forma de pagamento, além do cartão, dinheiro e pix.
“Mas é bem burocrático [o recebimento dessa forma de pagamento], antes passa por toda uma avaliação, é feita uma consulta de dados, e dependendo de como for, o financeiro não aceita por medo de devolução, cheque sem fundo. Só é aceito se obtivermos extrema confiança”, explica.
Ela também falou que a demanda tem aumentado com o pix e cartão, mas que mantém o cheque, ainda, pelo fato de que tem muita gente que não é acostumado com a tecnologia ou não tem grau [escolar] para entender como funciona.

Compartilhe: