quinta-feira, 09 de julho de 2020

Notícias

Mais de 60% de crianças e mães ainda não se vacinaram contra gripe em SP

Campanha acaba na próxima sexta-feira (5); meta é imunizar 90% dos públicos, mas cobertura vacinal ainda é de apenas 38% entre menores de 6 anos; 36% em grávidas e 42% em puérperas

O Estado de SP já vacinou 12,5 milhões de pessoas contra a gripe. Porém, a uma semana do fim da campanha de vacinação, 60% das crianças e das mães ainda precisam se imunizar. Por isso, a Secretaria de Estado da Saúde faz um alerta especial para as famílias para que compareçam aos postos até a próxima sexta-feira (5).
Até o momento, foram vacinadas somente 1,1 milhão de crianças (37,9% de cobertura vacinal) e 162,7 mil gestantes (36,1%), além de 31 mil puérperas (41,8%), outro grupo que também está com baixa cobertura.
A meta é alcançar pelo menos 90% de um total de 3 milhões de crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade, 451,1 mil gestantes e 74,1 mil puérperas (mulheres que deram à luz nos últimos 45 dias).
“Pedimos a todas as famílias para que cuidem dos pequenos e das mães. A vacina é segura, fundamental para evitar complicações que podem ser provocadas pela gripe, e não causa a doença em quem tomar a dose. Os postos estão trabalhando com medidas de segurança, evitando aglomerações, para prevenção à doenças respiratórias, como a COVID-19 e a própria gripe”, reforça a diretora de Imunização da Secretaria, Nubia Araujo.
Coronavírus
A vacina contra a gripe não imuniza contra o novo coronavírus, mas a campanha é fundamental para reduzir o número de pessoas com sintomas respiratórios nos próximos meses. “Além de proteger a população contra a Influenza, precisamos minimizar o impacto sobre os serviços de saúde em meio a pandemia de COVID-19, já que os sintomas destas doenças são semelhantes”, diz o Secretario de Estado da Saúde, José Henrique Germann.
A orientação aos profissionais que trabalham na campanha é para que haja organização da fila e do ambiente. Além disso, é importante realizar uma triagem com identificação de sintomático respiratório – presença de febre, tosse, coriza e falta de ar. Se a pessoa apresentar febre ou mau estado geral, deve ser colocada máscara no paciente e adiada a vacina, com recomendação para seguir o isolamento domiciliar.
As equipes devem anotar as doses aplicadas, com mesas e distanciamento de pelo menos 1 metro entre o anotador e paciente. Cada profissional tem a recomendação de usar caneta própria e álcool deverá ficar disponível para uso. O vacinador não precisa utilizar luvas nem máscara cirúrgica, apenas seguir as normas de higienização.

Compartilhe: