Ir para o conteúdo

segunda-feira, 22 de julho de 2024

Notícias

Ex-diretores do Grupo Americanas são incluídos na lista da Interpol por fraudes bilionárias

Nesta quinta-feira, uma operação da Polícia Federal brasileira, denominada Disclosure, revelou novos desdobramentos em um dos maiores escândalos corporativos dos últimos anos. Dois ex-diretores do Grupo Americanas foram oficialmente incluídos na lista de Difusão Vermelha da Interpol, indicando que estão foragidos no exterior e procurados pelas autoridades brasileiras.

Os ex-executivos, cujas identidades não foram reveladas pela PF, são acusados de participação em um esquema de fraudes contábeis que totalizam impressionantes R$ 25,3 bilhões. As investigações apontam que os crimes envolvem manipulação de resultados através de práticas contábeis fraudulentas, especificamente relacionadas a operações de risco sacado e contratos fictícios de verba de propaganda cooperada (VPC).

A operação deflagrada hoje não se limitou apenas à inclusão na lista da Interpol. Foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão e realizados sequestros de bens e valores, totalizando mais de meio bilhão de reais, conforme autorizado pela Justiça. A ação coordenada envolveu não apenas a Polícia Federal, mas também o Ministério Público Federal (MPF) e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Em nota oficial divulgada pela PF, foi destacado que os ex-diretores utilizaram artifícios ilícitos para inflar os resultados financeiros da empresa, prejudicando não apenas os acionistas, mas também a credibilidade do mercado. A atual diretoria do Grupo Americanas colaborou ativamente com as investigações, reforçando o compromisso da empresa em restaurar a confiança pública e responsabilizar os culpados.

Por sua vez, o Grupo Americanas emitiu uma declaração afirmando sua confiança nas autoridades competentes e sublinhando que foi vítima da fraude perpetrada pela gestão anterior. A empresa assegura que continuará cooperando integralmente com as investigações para garantir que todos os envolvidos sejam responsabilizados judicialmente.

Compartilhe: