Ir para o conteúdo

sábado, 20 de abril de 2024

Notícias

DENGUE: pacientes com câncer têm maior risco para o tipo grave da doença

O médico infectologista do Hospital de Amor, Dr. José Carlos Ignácio Jr., explica que a dengue, a zika ou a chikungunya, doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, assim como qualquer outra infecção, atrapalham o tratamento oncológico porque podem atrasar, adiar ou interromper temporariamente a quimioterapia e/ou a radioterapia. Além disso, o paciente com câncer tem um risco maior de ter dengue grave. “Esse risco é maior nos pacientes com câncer acima de 60 anos, que também apresentam comorbidades como diabetes, hipertensão arterial, cardiopatia, doença renal ou pulmonar crônica”, destaca.

Para alguns tipos de câncer, o quadro também pode exigir cuidados extras. Pacientes adultos com leucemia, linfoma, mieloma e tumor de fígado apresentam maior risco de complicações hemorrágicas pela dengue e, assim, um maior risco de evoluir com dengue grave, necessidade de internação e maior risco de óbito. Já entre as crianças, as leucemias e os linfomas são de maior risco para dengue grave, assim como o tratamento de alguns tumores sólidos que são tratados com altas doses de quimioterapia.

O infectologista frisa que, caso um paciente oncológico apresente sintomas típicos da infecção por dengue, é importante procurar imediatamente o centro de referência no qual o tratamento está sendo realizado, para avaliação médica e laboratorial, com seguimento para que se evite o agravamento da doença.

 

Foto: Dr. José Carlos Ignácio Jr. é médico infectologista do HA

Compartilhe: