Ir para o conteúdo

segunda-feira, 22 de julho de 2024

Notícias

Casa Paulista entrega 1.222 unidades habitacionais na Região Administrativa de Barretos

O programa Casa Paulista beneficiou 1.222 famílias com novas moradias, desde o início de 2023, na Região Administrativa de Barretos, totalizando um investimento estadual de R$ 170,8 milhões. Em todo o Estado, nos 18 primeiros meses da gestão, foram entregues 30.188 unidades habitacionais, com um investimento de R$ 2,1 bilhões. Há, atualmente, mais 113.103 unidades em produção.

A provisão de habitações do Casa Paulista se dá por meio de duas diferentes modalidades, sendo uma delas os programas de fomento ao crédito e incentivo à iniciativa privada, como a Carta de Crédito Imobiliário (CCI). No caso do CCI, com um aporte que varia entre R$ 10 e R$ 16 mil, a depender da localização do imóvel, a SDUH consegue atender famílias com renda de até três salários mínimos. Além disso, há também a produção habitacional da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano, vinculada à SDUH, que, por meio de um financiamento facilitado, auxilia os paulistas a conquistarem a casa própria.

Em se tratando da utilização de programas de fomento ao crédito, foram entregues na RA Barretos 341 unidades habitacionais com o aporte do governo estadual, sendo investidos pelo Estado mais de R$ 3,41 milhões. Foram entregues, em todo o Estado, 20.592 unidades e há em produção mais 76.113 unidades. Essa modalidade de atendimento habitacional gera um forte impacto socioeconômico, pois movimenta toda uma cadeia produtiva que contempla os aportes privados nessas construções e investimentos indiretos e induzidos.

A produção habitacional da CDHU e o fomento ao crédito se complementam dentro da política habitacional do Governo de São Paulo. A Companhia entregou, desde o início de 2023, 881 novas unidades habitacionais na Região Administrativa de Barretos, com um investimento estadual de R$ 167,3 milhões. No Estado, a CDHU entregou 9.596 unidades e segue produzindo, ainda, mais 36.990 moradias.

Nesse caso, o financiamento dos imóveis segue as diretrizes da Política Habitacional do Estado, que preveem juros zero para famílias com renda mensal de até cinco salários mínimos. Assim, as famílias atendidas pagam praticamente o mesmo valor ao longo dos trinta anos de contrato, que sofre apenas a correção monetária calculada pelo IPCA, o índice oficial do IBGE. O valor das parcelas é calculado levando-se em conta a renda das famílias, que podem comprometer, no máximo, 20% dos rendimentos mensais com as prestações.

Compartilhe: