Ir para o conteúdo

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

Notícias

Avião que levava jogador Guilherme Noé não podia operar como táxi aéreo

Após cinco dias do acidente que matou os jogadores do Palmas Regatas e Futebol, Lucas Praxedes, de 23 anos; Guilherme Noé, de 28 anos; Ranule, de 27 anos e Marcus Molinari, de 23 anos, o comandante Wagner e o presidente Lucas Meira, 32 anos, em Porto Nacional (TO), o caso está sendo investigado pelas autoridades. Segundo a ANAC (Agência Nacional de Aviação), o avião estava apto para voar e com a manutenção em dia, mas não tinha a autorização para realizar serviço de táxi aéreo, podendo ser usado pelos proprietários ou em voo não remunerado. As autoridades da ANAC estão apurando o tipo de transporte executado no momento do voo para verificar se houve alguma irregularidade na prestação do serviço.
O avião matrícula PT-LYG, não há registro para alteração de propriedade e atualmente é registrado em nome de Construt. Meirelles Mascanrenhas Ltda. O avião caiu logo que levantou voo na cabeceira da pista.

Compartilhe: