terça-feira, 19 de junho de 2018

Notícias

Notas Gerais

A estimativa do mercado financeiro…

… para o crescimento da economia continua em queda, enquanto a projeção para a inflação sobe. De acordo com o Boletim Focus, publicação divulgada na internet todas as semanas pelo Banco Central (BC), a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – passou de 2,18% para 1,94%. Essa foi a sexta redução seguida. Até a previsão de crescimento do PIB para 2019, que permanecia inalterada há 18 semanas seguidas, foi ajustada de 3% para 2,80%, no boletim divulgado ontem (11).A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 3,65% para 3,82% este ano, no quarto aumento seguido. Para 2019, a projeção foi ajustada de 4,01% para 4,07%.

A proximidade das eleições, o…

… início da Copa do Mundo da Rússia e as festas juninas no país podem enfraquecer ainda mais o ritmo de votações no Congresso Nacional nas próximas semanas. Dessa forma, temas polêmicos e pautas do governo, como os compromissos assumidos com a greve dos caminhoneiros, podem ser afetados e ficar sem a definição de deputados e senadores. Na Câmara, o presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), já negou que decretará recesso no período dos jogos da Copa do Mundo, mas lembrou que as festas juninas podem impactar no quórum das votações. Deputados e senadores devem começar a discussão das três medidas provisórias negociadas pelo governo e representantes de caminhoneiros. As comissões mistas já foram criadas e reúnem 13 deputados e 13 senadores para discutir o assunto.

Nas primeiras eleições majoritárias…

… e proporcionais após a proibição do financiamento empresarial de campanhas, os partidos políticos ainda não definiram de que forma vão dividir os recursos do fundo eleitoral entre os seus candidatos. Criado no ano passado para regulamentar o repasse de recursos públicos entre as legendas, o Fundo Especial de Financiamento de Campanha deve ficar em R$ 1,716 bilhão este ano de dinheiro público. A maior parte é dividida proporcionalmente entre os partidos, levando em conta o número de representantes no Congresso Nacional. Ou seja, as siglas que elegeram o maior número de parlamentares em 2014 – MDB, PT e PSDB – terão direito à maior fatia do bolo. Já o menor percentual, de 0,57%, será destinado aos partidos menores, chamados de nanicos, que ficarão com R$ 980 mil cada. Veja, a seguir, a posição dos partidos.

Este ano, o eleitor brasileiro vai…

… acompanhar uma campanha diferente, pois, pela primeira vez, está proibida a doação de empresas para os candidatos, conforme determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Sem o dinheiro das empresas, a saída encontrada por deputados e senadores foi definir novas regras para o financiamento da propaganda eleitoral. Depois de muita polêmica e poucos dias antes do prazo final para a proibição valer em 2018, Câmara dos Deputados e Senado aprovaram a criação do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, por meio da Lei 13.487/2017, que soma R$ 1,716 bilhão de recursos públicos. Além desse fundo, as legendas apostam em doações de pessoas físicas e vaquinhas virtuais para aumentar o montante de recursos.

Estudantes que desejam ingressar…

… em uma universidade pública poderão se inscrever no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) a partir desta terça-feira, 12. Serão ofertadas 57.271 vagas em 68 instituições para o segundo semestre deste ano. Para concorrer, o candidato precisa ter feito as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2017, com nota acima de zero na redação. As inscrições devem ser feitas pelo site. A divulgação do resultado da primeira chamada está prevista para 18 de junho. Quem for selecionado deve fazer a matrícula entre 22 e 28 de junho. Já o prazo para entrar na lista de espera é de 22 a 27 de junho, sendo necessário que o candidato manifeste interesse em participar dela.

O número de famílias brasileiras…

… endividadas caiu em maio, indica a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Segundo o estudo, o índice foi de 59,1% em maio, frente a 60,2% em abril. Em maio do ano passado, 60,7% das famílias possuíam pendências nas finanças. Também houve redução na quantidade de famílias que afirmaram não ter condições de quitar as dívidas e permaneceriam na inadimplência, caindo de 10,3% em abril para 9,9% em maio deste ano. De acordo com a CNC, influenciaram os resultados a maior cautela na contratação de empréstimos e financiamentos e também a redução das taxas de juros.

Compartilhe: