domingo, 17 de novembro de 2019

Artigos

Vida de intimidade com Deus

São João, o discípulo que se distinguiu pela sua intimidade com Jesus (14, 22-27) diz: “Judas (não o Iscariotes) perguntou: ‘Senhor, por que vais mostrar-te a nós e não ao mundo?’. Jesus respondeu: ‘Se alguém me ama, guarda a minha palavra, e o meu Pai o amará. Eu e meu Pai viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não me ama, não guarda as minhas palavras. E a palavra que vocês ouvem não é minha, mas é a palavra do meu Pai que me enviou. Essas são as coisas que eu tinha para dizer estando com vocês. Mas, o Advogado, o Espírito Santo que o Pai vai enviar em meu nome, ele ensinará a vocês todas as coisas e fará vocês lembrarem tudo o que eu lhes disse’”.
Estas palavras nos revelam o significado do mistério da Santíssima Trindade que aprendemos quando éramos criançase que, até hoje, a maioria continua acreditando sem pensar que todos nós somos convidados a ser filhos de Deus e participantes da natureza divina, e dos atributos privativos do Pai para sermos os colaboradores na construção do Seu Reino na terra. A palavra que ouvimos de Jesus nos faz entender que, sendo fiéis à palavra de Deus, nós também participamos do mistério da Santíssima Trindade e da Família de Deus.
O livro dos Provérbios (8,22-31) é um elogio à Sabedoria de Deus manifestada na criação de todo o universo. Depois de criar o primeiro casal disse: “crescei, multiplicai-vos, enchei e dominai a terra”. A partir deste momento, toda criatura humana precisa participar da Sabedoria e dos outros atributos privativos de Deus para cumprir a sua missão. São Paulo na sua carta aos romanos (5,1-5) afirma, em meio de todas as tribulações não podemos desanimar-nos “porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”.
São João (16,12-15) lembra a promessa que Jesus fez aos seus apóstolos: “Tenho ainda muitas coisas a dizer-vos, mas não sois capazes de as compreender agora. Quando, porém, vier o Espírito da verdade, ele vos conduzirá à plena verdade. Pois ele não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e até as coisas futuras vos anunciará, Ele me glorificará, porque receberá do que é meu e vô-lo anunciará. Tudo o que o Pai possui é meu. Por isso disse que o que ele receberá e vos anunciará é meu”. Esta é a união que Jesus deseja que tenhamos com o Pai e com os irmãos.
Nesta semana celebraremos, também, a festa do “Corpo de Deus”. Nós conhecemos o nome, porém não sabemos qual é o seu significado, por isso a nossa vida não tem sentido, não valorizamos esta festa nem a Eucaristia que celebramos todos os domingos. Guiados pelo egoísmo dos homens, é impossível compreender o mistério da intimidade que o Pai deseja ter com todos nós, e gostaria que tivéssemos com todos os nossos irmãos formando a grande família humana, onde Deus fosse o Pai e todos nós viver como irmãos. Então poderíamos rezar o Pai nosso!
Monsenhor Antônio Santcliments Torras
Pároco emérito da Paróquia São João Batista de Olímpia

Compartilhe: