sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Artigos

Palpitações e Arritmias cardíacas

Olá!
Em geral, não sentimos os nossos batimentos cardíacos, exceto quando nos exercitamos. Na verdade, nem nos damos conta que temos uma bomba funcionando ininterruptamente dentro do nosso peito, colocando o sangue para circular A palpitação é exatamente uma anormal consciência do batimento do coração quando estamos em repouso. Arritmia é o coração bater descompassado – o que pode muitas vezes não ter sintomas e levar a sérias complicações como o AVC.
Em repouso, o nosso coração realiza entre 60 e 100 batimentos por minuto. Quando bate muito rápido, é chamado de taquicardia, e quando é muito devagar, de bradicardia. Na maioria dos casos, as arritmias são breves, desaparecem espontaneamente e não representam risco para a saúde. No entanto, se o ritmo cardíaco acelerado tornar-se constante, pode conduzir à falência cardíaca. Arritmias graves, muitas vezes, ocorrem após infarto do miocárdio.
Entre as causas comuns de palpitações por taquicardias podemos citar: síndrome do pânico, distúrbios de ansiedade e depressão; anemia; febre; desidratação; exercício físico; estresse emocional; consumo exagerado de cafeína; cocaína; hipertireoidismo (alterações na tireoide), hipoglicemia (queda na taxa de açúcar do sangue) e cigarro.
Em idosos, ocorre uma arritmia mais frequente, chamada fibrilação atrial, que são os batimentos descompassados e muitas vezes, sem sintomas, descobertos após um acidente cerebral vascular (AVC ou o popular derrame) – que é uma das suas consequências.
Caso seja percebido algum tipo de palpitação, a primeira conduta é procurar um médico para, num primeiro momento, identificar se a palpitação é de origem cardíaca ou se há outras causas como as citadas acima.

Compartilhe: