sábado, 21 de julho de 2018

Artigos

O que fazer com uma imagem sacra que foi abençoada, mas se quebrou?

Segundo Márcio Leandro Fernandes, missionário da Canção Nova, antes de pontuar o que se pode fazer com uma imagem sacra que se quebrou, é válido destacar (…) que católico não adora imagem, mas tem por ela veneração.
Após uma avaliação do estado da imagem e não havendo uma possibilidade ou interesse em sua restauração, o próximo passo seria utilizar a forma mais coerente de se desfazer do objeto, levando em conta o seu significado.
A sugestão é que não há “necessidade” de se levar as imagens quebradas para depositar nas Igrejas, cemitérios, jogar em rios ou em outros lugares, mas elas podem ser trituradas e enterradas no jardim ou em um vaso de sua casa. O sentido é evitar a possibilidade de as imagens que foram abençoadas serem escarnecidas, ao serem jogadas no lixo com indignidade ou deixadas em lugar indevido.
Com isso, deve-se desfazer das imagens danificadas de forma que o seu valor espiritual e significado religioso não sejam afetados, evitando qualquer sinal de desrespeito.
Dizia São João Damasceno que “a beleza e a cor das imagens estimulam minha oração. É uma festa para os meus olhos, tanto quanto o espetáculo do campo estimula meu coração a dar glória a Deus”.
Assim, a função tanto das imagens abençoadas quanto dos ícones santos em boas condições é entrar “na harmonia dos sinais da celebração, para que o mistério celebrado se grave na memória do coração e se exprima em seguida na vida nova dos fiéis” (Catecismo da Igreja Católica, n. 1162).
Portanto, uma imagem que está quebrada ou danificada não atinge todo o seu objetivo, por isso, pode ser dispensada sem nenhum problema.

Compartilhe: