terça-feira, 17 de setembro de 2019

Artigos

O impacto da privação de sono – Parte 2

Olá!!

Na última semana, falamos sobre como o sono influencia a alimentação e vice-versa. Hoje, vamos continuar a abordar os impactos que traz a privação de sono para nossa saúde.

Além de influenciar a alimentação, uma série de estudos mostra que a falta de descanso estimula que o alimento seja estocado na forma de gordura. Há pesquisas sugerindo que, mesmo com uma ingestão idêntica de calorias, os sujeitos com poucas horas de sono tendem a engordar mais.

A redução dos períodos de sono está associada a uma redução da tolerância à glicose (uma forma inadequada de controlar a disponibilidade de glicose sanguínea para os tecidos e cérebro, permanecendo elevado o nível de glicose no sangue). Isso é um fator de risco para a diabetes tipo 2.

Dormir menos de cinco horas por noite aumenta em cinco vezes o risco de ter pressão alta – um dos principais fatores de risco para o infarto. Além do estresse, os vasos sanguíneos de quem não consegue se desligar por tempo suficiente ficam mais rígidos.

Dormir pouco tem relação com uma variedade de transtornos físicos, mentais e de comportamento. Segundo estudo, as pessoas que têm problema de depressão são mais propensas a ter insônia ou dificuldade para dormir. Ao mesmo tempo, as pessoas com insônia também têm um risco maior de sofrer de depressão e ansiedade. 

De acordo com pesquisadores da Universidade da Califórnia, a privação de sono parece provocar em pessoas saudáveis sintomas semelhantes aos sofridos por indivíduos com transtorno de ansiedade social, ou seja, pode fazer uma pessoa se tornar mais solitária. 

E um último dado: menos de seis horas de sono aumenta o risco de morte por qualquer causa. Que tal valorizar o descanso?

Na próxima semana, vamos dar dicas para ajudar na qualidade do seu sono.

Um ótimo domingo e até o próximo!!!

Compartilhe: