sexta-feira, 20 de Abril de 2018

Artigos

Amanhã pode ser tarde

O tempo é muito maldoso conosco. Ele é traiçoeiro, vem e vai e quando percebemos as pessoas que mais amamos na vida já não estarão mais conosco. Você já parou para pensar de quantas pessoas hoje sente saudades? E quando penso em quanto tempo não vejo tal pessoa? Eu nem estou querendo fazer uma comparação por essa pessoa ter morrido! Às vezes, essas pessoas que você pensou ao começar ao ler esse texto estão apenas longe, em outro lugar, ou estar morando em outra rua ou mesmo dentro de sua casa.
Quantas vezes nós cruzamos um estado ou país para encontrar uma pessoa que amamos? Então, porque será que muitas vezes nós não conseguimos cruzar uma mesa para olhar nos olhos que a gente ama e não conseguimos abraçar quem está ao nosso lado?
Você já se perguntou quando foi a última vez que levou alegria para sua casa? Muitas vezes só levamos para casa os nossos problemas! E como é bom mostrar a nossa alegria para aqueles que amamos e também assim lembrarmos que somos amados. Ao irradiarmos alegria nos sentimos especiais. E é no hoje, no agora que conseguimos isso, nunca conseguiremos essa proeza no ontem ou no amanhã.
Certamente já aconteceu de se organizar para viajar para ir ao encontro de alguém que ama, mas com algum imprevisto teve que cancelar a visita. Porém, basta um telefonema dizendo que essa pessoa morreu que a primeira coisa que faz é pegar o carro ou qualquer outro meio de transporte e ir ao encontro desta pessoa que ama.
Essa atitude nos mostra que estamos valorizando, muitas vezes, mais a morte que a vida! Será que devemos esperar chegar a morte de alguém para demonstrar o nosso amor por ela? Será que não podemos fazer isso hoje? Por que preferir abraçar um corpo gelado que abraçar as pessoas que amamos e que estão vivas?
Aproveitemos a vida, que foi o maior dom que Deus nos deu, e amemos e estejamos mais com aqueles que amamos! Se pensou em alguém ao ler esse texto não perca tempo e demonstre agora o quanto a ama! Amanhã pode ser tarde!

Carlos Moni
Seminarista

Compartilhe: