domingo, 14 de Maio de 2017

Artigos

A luz acendeu, mas o túnel é longo: como será o empreendedorismo no Brasil em 2017

Que 2016 não foi fácil, todo mundo já sabe. A turbulência política chacoalhou as estruturas do país, a crise econômica se aprofundou, e o ano terminou como um dos mais agitados – e repudiados – da história. Como todo mundo, gestores e empreendedores sentiram essas dores na pele; mas seguiram adiante, quebrando a cabeça para transformar crise em oportunidade. Também como todo mundo, devem estar se perguntando o que o futuro reserva neste ano que começa. E é esta a principal pergunta que procuramos responder aqui: como será 2017 para o empreendedorismo no Brasil?
Vale lembrar que o ato de empreender, no país, é fenômeno relativamente recente. Claro que sempre houve quem tomasse riscos para iniciar algo novo; mas a prática só se dissemina por aqui a partir dos anos 90, durante o período de abertura econômica. Com moeda estável, ficava mais fácil abrir um negócio e projetar crescimento. Mas os tempos recentes são de incerteza. O que virá por aí? É uma pergunta que contém várias indagações. A primeira, de ordem macroeconômica: como ficará o cenário? Propício ao empreendedorismo? Medidas necessárias serão aprovadas, os juros cairão, e, com isso, haverá crescimento estável e vigoroso, com novas oportunidades surgindo a cada momento? Há luz, mas o fim do túnel ainda está longe. De acordo com especialistas, nem tanto. O otimismo aumentou entre empresários e economistas. Ainda assim, há um consenso de que, se 2016 foi um ano crítico, 2017 será o ano da sobrevivência – e 2018, sim, será o ano da recuperação. É o que demonstra esta pesquisa realizada pelo Sebrae. De acordo com ela, 82% dos empreendedores acreditam que a economia brasileira começará a crescer mais significativamente partir de 2018. Por outro lado, o ano que começa será melhor para quase 63% dos empresários de pequenos negócios. Veja alguns outros dados da pesquisa sobre o cenário recente do empreendedorismo no Brasil:
 
• Para 60% dos empreendedores, 2016 foi pior que 2015. O ano só foi melhor para 18% deles;
• As razões alegadas foram: recessão (31%), desemprego (27%), taxa de juros altos (23%) e inflação alta (15,5%);
• Impostos e taxas representaram os principais custos (29%);
• 82% dos gestores acreditam que a crise só irá melhorar a partir de 2018; ainda assim, 1/4 dos empresários entende que será depois de 2020;
• 51,6% não pretendem investir no negócio em 2017.
 
Leitura recomendada: Como o empreendedor deve enfrentar a crise econômica? “Com crise ou sem crise, está decidido: em 2017 quero empreender”  Sensacional! Então, além de ir em busca do seu sonho, você vai fazer parte do grupo responsável por gerar 52% dos empregos do país. Agora, se a decisão foi tomada, é bem provável que você já tenha identificado uma oportunidade e elaborado uma idéia de negócio para levar adiante. Ainda assim, vale conhecer algumas das oportunidades com maior potencial no campo do empreendedorismo no Brasil em 2017.
Já falamos a respeito neste artigo sobre tendências de mercado para 2017. Agora, queremos ajudar a corroborar a sua ideia, ou quem sabe aprimorá-la:
 
1. Negócios digitais
Confira as duas principais tendências digitais para o próximo ano:
E-commerce: segundo uma pesquisa do portal Ebit, que estuda os índices das vendas online no Brasil, só o primeiro semestre de 2016 movimentou cerca de R$ 20 bilhões – um aumento de 5,2% em relação ao ano anterior.O e-commerce é também uma ideia interessante para quem quer expandir as vendas e oferecer os produtos e serviços da loja física em uma plataforma digital. A legislação é simplificada e não há barreiras para alcançar novos públicos nesse mercado promissor.Consultoria online: é um dos principais benefícios que a tecnologia trouxe para profissionais especializados. A consultoria virtual pode funcionar como modelo home office ou com pequenas equipes. O importante é garantir a qualidade e transparência dos serviços. É uma ótima oportunidade para quem tem qualificação, mas não quer investir muito dinheiro. Leitura recomendada: Ferramentas de gestão ajudam na transformação digital das empresas
 
2. Franquias
Entra ano, sai ano, o segmento do franchising sempre apresenta oportunidades com bom potencial. Veja aqui algumas que podem te ajudar a brilhar em 2017:
Quiosque: modelo de negócios mais enxuto e barato, o quiosque é uma ótima oportunidade para quem quer se tornar um franqueado com pouco capital. Há diversas áreas: beleza, artigos esportivos, alimentação ou bebidas. Em geral, a estrutura costuma ser um ótimo investimento para empreendedores que querem diversificar a atividade. São bem lucrativos, e é possível contar com o suporte da franqueadora.
Serviços: abrir uma franquia não é só para quem quer vender produtos. Se você é especialista em alguma área, mas não tem prática em elaborar um plano de negócios, uma franquia de algum serviço pode ser a oportunidade que faltava. Medicina, TI e gestão financeira contam com boas projeções para 2017.
 
3. Alimentação
O setor sempre apresenta resultados excelentes para quem pretende abrir um novo negócio. Este artigo do Guia Empreendedor traz algumas recomendações de especialistas para o ano que começa:
Comida saudável: além de movimentar bilhões de dólares em todo o mundo, a alimentação saudável oferece inúmeras possibilidades de empreendedorismo no Brasil. Encontrar uma solução para atender um público específico, apressado mas sem interesse em fast-food, é o que pode trazer mais rentabilidade.
 
4. Investir em aplicativos e softwares
Se você já tem uma empresa e quer melhorar o desempenho das operações, a dica que deixo é investir em tecnologia para padronizar a produção e automatizar os processos de gestão. Este artigo traz sugestões de ferramentas online para acelerar o seu negócio.
 
André Luiz Bastos: Licenciado em Educação Física UNESP Bauru, Licenciado em Filosofia pela Universidade Nacional de Cuyo – Faculdade de Filosofia e Letras Mendoza – Argentina,  Mestre em Educação pela UNFRAN – Franca SP, Doutor em Ciências da Educação pela UNCUYO – Universidade Nacional de Cuyo – Faculdade de Filosofia e Letras Mendoza –  Argentina e Pós-Doutorado pela UNRTEF – Universidade Tres Febrero Buenes Aires– Argentina. Coordenador do NAD – Núcleo de Apoio ao Docente e Professor nos cursos da Faculdade Barretos. Prof.andrebastos@hotmail.com.

Compartilhe: