domingo, 12 de novembro de 2017

Artigos

A HORA DA COLHEITA

Bom Dia Barretos. Existe uma interessante relação entre o desenrolar de nossas existências e a mudança das estações ao longo do ano.

Senão vejamos: A primavera, leve, risonha, florida e banhada pelo sol, corresponde à nossa infância, onde tudo é alegria, brincadeira e aprendizado.

Depois da primavera vem o verão, estação de preparar a terra, garantindo sua devida adubação seguida do lançamento das sementes ao solo já fértil. É o plantio. Assim também é o verão de nossa existência, quando também nos aprimoramos através do aprendizado e começamos nossa fase produtiva, tal qual as sementes semeadas começam a se desenvolver.

Em seguida chegamos ao outono, quando na terra as sementes já germinadas e desenvolvidas começam a produzir. Então vem a fase da colheita. Dependendo da qualidade das sementes que plantamos e dos cuidados que dispensamos no seu devido cultivo, iremos colher uma safra maior ou menor, além de produtos de melhor ou pior qualidade. Na vida não é diferente, dependendo de nosso preparo, na vida familiar, escolar e de nossa dedicação ao trabalho, iremos colher frutos como: uma família bem constituída, um melhor salário, uma promoção, uma vida sem sobressaltos financeiros.

Em seguida vem o inverno, quando o céu se torna cinzento, o sol não brilha com a mesma intensidade, o frio começa a desnudar nossas árvores e a capacidade produtiva fica reduzida. Nós também, quando entramos na terceira idade, sentimos nossas forças diminuírem, nossa visão começa a perder a nitidez, nossa audição se reduz, nossas pernas fraquejam e só nos sentimos revigorados quando recebemos o carinho e os abraços afetuosos de nossos entes queridos.

Rememorando, a natureza nos premia quando da colheita de acordo com a qualidade das sementes que laçamos ao solo e do nosso empenho no cultivo. A vida mais uma vez repete os ensinamentos da natureza e nós só colhemos os frutos de nosso plantio. Quem planta amor, amor colherá, quem planta discórdia só poderá discórdia colher. Quem cultiva amizades as colherá ao longo da caminhada, mas quem ao longo da vida, alçado a posições de destaque, ou bafejado pela sorte, se tornar vaidoso e prepotente, com toda a certeza sentirá o frio do inverno da vida, envolvendo seus dias finais.

Por isso classifico o outono de nossas existências como o marco que irá definir o nosso destino quando a melhor idade chegar. Não levaremos bens, não carregaremos moedas, mas com toda certeza poderemos chegar ao plano espiritual com as mãos carregadas de boas ações, além de podermos desfrutar, na melhor idade, de uma paz de espirito e da alegria de estarmos contemplando o fruto de nosso trabalho.

Quem passa o outono da vida tentando diminuir o feito do próximo ou se envolvendo com intrigas e maledicências, deixando o ódio e o rancor florescerem em seus corações como ervas daninhas, não pode esperar colher, como não colherá, bons frutos a alimentar seus últimos dias em nosso planeta.

Cuidemos de sermos fraternos, leais e cultivarmos boas amizades. De fazermos o bem sem questionar se o cidadão merece ou não, pois só Deus conhece o interior de nossos corações. O que aqui plantarmos aqui colheremos e só nossas boas ações nos acompanharão quando retornarmos à casa do Pai. Portanto meus irmãos, façamos o nosso plantio.

BOM DIA BARRETOS.

 

Compartilhe: