domingo, 25 de junho de 2017

Artigos

A EXPANSÃO DO EMPREENDEDORISMO FEMININO

É fato que o público feminino ainda não é maioria dentre o empresariado brasileiro, entretanto o número de mulheres empreendedoras aumentou cerca de 21,4% nos últimos 10 anos. A participação masculina à frente das micro e pequenas empresas, por sua vez, subiu 9,8% em período igual. Cerca de 30% das empresasem atividade no Brasil, são comandadas por mulheres.

Esses dados constam no Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas, produzido pelo SEBRAE juntamente com o DIEESE. Esse estudo verificoucuidadosamente o perfil de gênero nos micro e pequenos negócios, esses caracterizados por faturarem até R$ 3,6 milhões por ano, no período de 2001 a 2011.

De acordo com o estudo acima mencionado a região norte do Brasil, foi a que apresentou o maior crescimento no número de mulheres empreendedoras, sendo que em dez anos, os negóciosgerenciados pelo público feminino cresceram cerca 80%. Já a região centro-oeste figurou no segundo lugar, com números próximos de 43%. De acordo com o SEBRAE, esse resultado reafirma uma tendência contemporânea, que se trata do avanço contínuo do público feminino no mercado de trabalho, juntamente com a evolução cada vez maior para cargos de chefia.

O estudo também demonstra que as mulheres que estão empreendendo, ou seja, montando o seu próprio negócio são relativamente jovens, sendo cerca de 41,3% com idade entre 18 e 39 anos e cerca de 52% entre 40 e 64 anos. Além disso, cerca de 40% delas ocupam a chefia da família, sendo que a grande maioria, cerca de 70%, possui ao menos um filho. Como empresárias, elas conseguem conciliar melhor o trabalho com os cuidados da casa e dos filhos. Cerca da metade dessas mulheres são unicamente responsáveis pela educação de seus filhos e isso não traz empecilhos para empreender com dedicação.

De acordo com o DIEESE, nota-se uma evidente mudança na participação do público feminino na vida econômico-financeira, mas ainda existe muito mais por vir. Será necessário um conjunto de importantes mudanças em âmbito público e político com a presença das mulheres nos negócios, além de uma mudança também dentro dos lares, no que se refere a divisão dos afazeres domésticos, do cuidado com os filhos e das atribuições da vida familiar.

O setor que mais conta com mulheres atualmente é o Comércio, com cerca 42% de empregos gerados, sendo a venda de roupas, acessórios e calçados, a atividade com maior concentração feminina, os setores de serviços e indústria vêm em seguida.

Frente as atuais tendências avaliadas e estudos elaborados pode-se concluir dessa forma que o avanço feminino no mercado de trabalho é uma crescente, desmistificando algumas crenças e pulverizando o mercado.

 

Eduardo de Carvalho Machione (Graduado em Administração/UNIFEB – Especialista em Gestão de Negócios/USP – Mestre em Tecnologia Ambiental/UNAERP). Coordenador de Pesquisas da Faculdade Barretos. Docente da Faculdade Barretos.

machione@colina.com.br

 

Deixe um Comentário





Compartilhe: